A equipe do Terra da Gente chega à cidade cearense de Potengi, no Vale do Cariri, em busca da “ave que fala”, um símbolo do sertão. No meio da mata, renovada pela chuva que voltou ao lugar depois de um longo período, a ave surge perguntando: “tem farinha aí?”.
Canto do farinheiro parece dizer "tem farinha aí?" — Foto: Terra da Gente
Esse é o farinheiro, espécie que atrai a curiosidade de observadores de vários cantos do mundo.

Para o sertanejo, seu som é considerado a “voz da Caatinga”. Além dele, a região também conta com o sempre presente corrupião, o bonito golinha e o tijerila, que migra do Sul e indica que a água vai, finalmente, cair no solo sempre castigado pela seca.
Os pés de juremas e juazeiros são os preferidos do golinha. O cardeal-do-nordeste também é outro sempre visto pelas redondezas. O biólogo e observador de aves, Jefferson Bob, transformou o sítio onde mora com a família em um ponto que hoje é referência na observação de aves.
Cardeal-do-nordeste é conhecido também como galo-da-campina — Foto: Terra da Gente
O local é uma base de apoio para pesquisadores e público em geral que buscam encontrar espécies consideradas raras cantando ali pertinho, praticamente no quintal.
Quem circula pela região com um olhar mais atento ainda é capaz de encontrar ninhos de tico-tico e ouvir o casaca-de-couro, por exemplo. Esse último, inclusive, serviu como inspiração para uma música do mestre Jackson do Pandeiro. O título é o nome da ave.
“Eu nunca vi desafio / Mais bonito, mais iguá / Duas casacas de couro / Quando começa a cantar / Parece dois violeiros / Num galope à beira-mar”, diz a poesia do cantor popular, que descreve com beleza e ternura essa maravilha da natureza nordestina.
"Acompanhe neste domingo ás 07 da manhã, na GLOBO (Parabólica) as imagens gravadas no Sitio Pau Preto."
Fonte: G1.


Roubar beijo, pegar na cintura, puxar o braço ou fazer carinho no cabelo de qualquer pessoa durante o Carnaval, pode ser configurado crime, uma vez que entrou em vigência, desde setembro de 2018, a Lei (13.718) de importunação sexual.
De acordo com o 2º artigo da resolução, importunação sexual “é praticar um ato libidinoso, com o objetivo de satisfazer a própria lascívia ou o desejo de terceiros, contra alguém sem a sua anuência”.

A pena para esses casos é de 1 a 5 anos de reclusão, se o ato não constituir crime mais grave.
“A grande questão do beijo roubado basicamente seria: se não houver violência ou grave ameaça, hoje, ele se configura dentro da lei de importunação sexual. Se houver constrangimento, mediante violência ou grave ameaça, ou praticado contra menor de 14 anos, configura como estupro consumado”, diz o advogado criminal, procurador do estado do Ceará, Leonardo Borges ao O POVO Online.

Para fazer a denúncia, a vítima precisa juntar provas e testemunhas. Será necessário a abertura de um boletim de ocorrência. O agressor poderá ser preso em flagrante se a vítima acionar a polícia logo após o ocorrido.

O advogado Leonardo Borges afirma que o número de notificações de crime de importunação sexual será alto no Carnaval 2019: “As campanhas da nova lei foram grandes, o que levará mais mulheres a denunciar”.

O Povo


A arrecadação sobre a tarifa de contingência em 2018, aplicada pela Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece), foi a maior dos últimos três anos, desde que a sobretaxa foi empregada em meados de 2015. Segundo o gerente de Concessão e Regulação da Companhia, João Rodrigues Neto, apenas no ano passado, a instituição embolsou R$ 190 milhões, frente aos R$ 95 milhões em 2017 e R$ 73 milhões em 2016.

"De dezembro de 2015 até dezembro de 2018, a Companhia já havia arrecadado R$ 277 milhões com a tarifa de contingência. Ela vai variar muito em função do consumo das pessoas, que têm cada vez mais se adequado à tarifa de contingência e reduzido a sua média de consumo. Havendo uma redução na média de utilização, não deve haver um acréscimo muito expressivo, mesmo com o reajuste. Se as pessoas passarem a consumir mais, independentemente do reajuste, a tarifa vai aumentar. São duas variáveis", explica.

De acordo com Rodrigues Neto, o montante arrecadado pela Companhia está sendo utilizado em investimentos programados no plano de combate à perda de água e segurança hídrica. "Até dezembro de 2018, desses R$ 277 milhões, nós já temos aplicados R$ 146 milhões e pagamos R$ 69 milhões em impostos. O saldo que temos já está todo comprometido com obras e ações que estão em andamento, tudo previsto para reduzir as perdas de água e segurança hídrica de Fortaleza e Região Metropolitana", acrescenta.

Segundo o gerente, a empresa espera que em 2019 haja uma recuperação no volume faturado pela Companhia. "O faturamento teve uma queda significativa ao longo desses últimos anos de seca. A gente espera que, com a quadra invernosa, possibilite-se a recuperação dos mananciais e a gente possa vir a ter uma melhora desse volume". Ele diz ainda que a continuidade da sobretaxa aplicada pela Cagece depende dessa reposição de água nos reservatórios. "É em função dessa situação de emergência que existe a tarifa de contingência. Enquanto essa situação perdurar, ela vai continuar em vigor", completa.

Reajuste

Na última quarta-feira (20), a Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Estado do Ceará (Arce) autorizou o reajuste de 15,86% na tarifa média da Cagece. Para o gerente de Concessão e Regulação, diversos motivos foram levados em consideração para vigorar o aumento nas contas de água dos cearenses.

"Houve uma variação nos custos que levaram à necessidade de revisão. Então, para poder manter o equilíbrio dos contratos e da prestação dos serviços, foi necessário fazer o estudo dessa recomposição".

Em 2017, a Companhia já havia sido autorizada pelas agências reguladoras a praticar uma tarifa média de R$ 3,55/m³ e agora de R$ 4,11. "Não quer dizer que é o valor por metro cúbico que a gente vai cobrar na conta do cliente. Essa tarifa média é o resultado da diferença de toda a receita requerida para cobrir os custos em função do volume faturado", explica.

Neto afirma ainda que os custos da água bruta e dos produtos químicos, que são influenciados pelo preço do dólar, também ajudaram a compor o reajuste.

Inflação

"Nesse período, nós tivemos alguns itens bem significativos na composição dos nossos custos que tiveram reajustes bem acima da inflação. E a variação do dólar também é mais um item que oscila muito e independe da inflação. Só para exemplificar também que nós temos a inflação própria do setor, não é a inflação de mercado", diz o gerente.


Fonte: Diário do Nordeste


Há mais de um mês, com o inicio da quadra chuvosa, moradores do bairro Malvinas, em Barbalha, vêm reclamando das péssimas condições da duplicação da CE-293 que liga o município a cidade de Missão Velha, na região de acesso ao bairro. Uma enorme cratera, formada devido a enxurrada das últimas chuvas, preocupa que mora ou trafega com seus veículos pela via. No local, moradores têm que desviar dos buracos e da grande concentração de areia, que causa riscos tanto a pedestres quanto a motoristas. De acordo com um morador do bairro, que não quis se identificar, sua residência fica em frente a via, sendo que a obra de duplicação foi paralisada e desde então a região vem tendo só prejuízo.

Apontando para uma garagem de veículos ao lado de sua residência, ele afirma “Faz mais de 6 meses que não entre nem sai nada aqui nessa garagem, pois a terra é capaz de deixar tudo atolado aqui. Durante a obra cavaram uns 3 mestres abaixo e cobriram com areia, mas pararam as obras e quando começou as chuvas veio levando tudo”.
O morador ainda esclarece que outros vizinhos não conseguem trafegar mais com veículos, e que se sente esquecido ali pois a tendência da situação é só piorar.
Foto: George Wilson.

O Portal Badalo entrou em contato com o Departamento Estadual de Rodovias (DER), responsável pela obra, que informou através de nota que devido a grande densidade populacional existente na CE-293, na zona urbana de Barbalha, foi obrigado a efetuar adequação no projeto, com a finalidade de evitarmos conflitos com residentes da região. Além disso, as obras estão previstas para serem retomadas até o dia 25 de fevereiro de 2019


DA AGÊNCIA CARIRICEARA
Redação – Foto: Arquivo/ Caririceara.com.
Uma criança de menos de um ano de idade foi atingida na cabeça com uma pedra durante uma briga envolvendo seu genitor, identificado por Humberto e o médico e empresário Alcides Muniz Filho. Segundo o Boletim de Ocorrência registrado na Delegacia Regional de Policia Civil do Crato, o caso ocorreu por volta das 14h00min desta terça-feira (19) por  trás da policlínica, no bairro Mirandão.

De acordo com o registro policial, o pai da pequena vítima prestava serviços ao médico e empresário que se desentenderam em razão de uma dívida no valor aproximadamente 1.000,00 que Alcides tem com Humberto. Na tarde ontem o genitor do Bebê foi com a esposa e o filho, no loteamento da pessoa identificada por Isla, no bairro Mirandão, para receber o dinheiro desta, onde o médico e empresário já se encontrava quando os dois começaram a discutir chegando a vias de fato.

Na ocasião, segundo o boletim policial, Alcides de armou de um pedaço de pau e o Humberto com um chaveiro de canivete e se agrediram.

 O médico e empresário caiu e pegou um pedaço de pau maior e continuou a espancar Humberto, momento em que a esposa deste último saiu do carro e veio em seu socorro trazendo a criança nos braços quando Alcides atirou uma pedra em direção a mulher vindo a atingir a criança na cabeça.

O Humberto levantou-se para ajudar o filho, enquanto Alcides lhe agredia com uma paulada nas costas, para em seguida ir até o carro onde pegou um teaser de choque vindo aplicar nas costas do seu desafeto enquanto este socorria o filho desacordado, fato este presenciado por outras quatro pessoas que estavam no local do ocorrido.

Humberto acrescentou em seu depoimento a polícia, que conseguiu correr para o carro com o filho desacordado e o levou para o Hospital São Camilo do Crato. A criança em seguida foi transferida ao hospital Santo Antônio, em Barbalha, onde se encontra hospitalizado, aguardando exames(tomografia, etc).

Ainda de acordo com o que Humberto disse a policia, o médico e empresário Alcides ainda afirmou que iria matá-lo. Após registrar o B.O na 19ª DRPC do Crato, Humberto foi encaminhado ao Núcleo de Ciências Forense do Cariri, em Juazeiro para ser submetido a exame de corpo de delito.

A reportagem do Site Caririceara tentou falar com o médico e empresário Alcides Muniz Filho, sobre o episodio, mas não conseguiu localiza-lo para ouvir a versão dele.

Fonte: CARIRICEARA.

Tecnologia do Blogger.