Sem vacina, distanciamento social pode durar até 2022

As medidas de distanciamento social para combater o avanço do coronavírus podem ser necessárias até 2022, caso não seja fabricada uma vacina ou medicação efetiva para a doença, afirma um estudo publicado nesta terça-feira (14) pela revista científica "Science". 
Imunidade ao coronavírus deve ser temporária, afirmam pesquisadores da Universidade Harvard | Reprodução
A pesquisa é assinado por cinco cientistas da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, onde diz que a melhor forma de evitar novos picos da covid-19 seria mantendo um distanciamento social intermitente por períodos determinados conforme a sazonalidade do vírus. 
A partir da análise do comportamento da doença até aqui e de outros vírus da mesma família, o estudo concluiu que o coronavírus pode ter maior incidência durante o inverno. Da mesma forma, a taxa de contágio tende a ser menor no verão.
Os autores disseram ainda reconhecer que o prolongamento das medidas de distanciamento social pode ter impactos negativos na economia e na educação. No entanto, afirmaram que o objetivo é oferecer abordagens alternativas para o enfrentamento da pandemia.
Com informações UOL
CURTA ESSA MATÉRIA PELO FACEBOOK: