O 'mito' não é imbatível mas hoje elegeria o PT


Apesar de liderar as pesquisas, Jair Bolsonaro mostrou que há pontos fracos importantes na sua campanha presidencial. A partir do momento em que passou a existir a possibilidade de sua vitória, sua candidatura se tornou muito mais exposta e revelou fragilidades sérias que o folclore em torno do “mito” pareciam esconder.

Segundo o mais recente levantamento do Ibope, sob críticas pesadas, os índices de apoio a Bolsonaro pararam de crescer, sua rejeição aumentou e ele passou a perder no confronto direto do segundo turno para Fernando Haddad, Ciro Gomes e Geraldo Alckmin. Hoje, na disputa contra Haddad, Bolsonaro elegeria o PT.

Na prática, esses problemas que atingem agora sua campanha poderiam ter aparecido antes. O atentado que sofreu no dia 6 criou uma blindagem emocional em torno de sua candidatura. A comoção criada pelo ataque e pela internação em estado grave impediu que os adversários lhe batessem pesado.

Com o início de sua recuperação, essa limitação acabou e o candidato passou a ser criticado não apenas pelo seu comportamento individual, mas também pelas ideias que seus principais assessores passaram a transmitir desastradamente.

Campanhas lideradas por mulheres, denunciando misoginia, e incertezas sobre o impacto de mudanças tributárias a serem adotadas pelo seu eventual governo parecem ter retirado parte do teflon que o protegia. Declarações inoportunas de Paulo Guedes, seu guru econômico, e do general Hamilton Mourão, seu candidato a vice, ajudaram a aumentar o caldo de cultura contra sua campanha.

Simultaneamente, no campo da esquerda, Haddad se consolidou como o catalisador do espólio de Lula. O candidato do PSL poderá ter força para chegar ao segundo turno até em primeiro lugar. Mas, por causa de sua fragilidade e rejeição, essa vantagem poderá se transformar numa espécie de vitória de Pirro, já que tudo indica que levará os eleitores antipetistas à derrota posterior contra Haddad.

Por Marcelo de Moraes, O Estado de S.Paulo
CURTA ESSA MATÉRIA PELO FACEBOOK: