Alemães ameaçam romper parceria com o Brasil se Bolsonaro vencer


Um recado grave para a combalida economia brasileira veio neste sábado, 13, da Alemanha, país com mais investimentos de multinacionais no Brasil, como a Volkswagen, Mercedes e Siemens; segundo a presidente do Grupo Parlamentar Teuto-Brasileiro, Yasmin Fahimi, uma possível eleição do candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) pode impedir uma retomada da parceria estratégica; "O Brasil está à beira de uma grande ruptura. Ficamos chocados como o fato de que, com Jair Bolsonaro, uma pessoa que tornou socialmente aceitável um discurso de ódio tenha chegado à liderança", disse ela; "Do lado alemão, não vejo nenhuma base para uma parceria estratégica com um presidente Bolsonaro" 


13 DE OUTUBRO DE 2018

Um recado grave para a combalida economia brasileira veio neste sábado, 13, da Alemanha, país com mais investimentos de multinacionais no Brasil, como a Volkswagen, Mercedes e Siemens.

Segundo a presidente do Grupo Parlamentar Teuto-Brasileiro, Yasmin Fahimi, uma possível eleição do candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) pode impedir uma retomada da parceria estratégica. "O Brasil está à beira de uma grande ruptura. Ficamos chocados como o fato de que, com Jair Bolsonaro, uma pessoa que tornou socialmente aceitável um discurso de ódio tenha chegado à liderança. Isso nos enche de preocupação sobre o futuro do Brasil", afirmou a deputada.

Segundo Yasmin Fahimi, o Brasil é para a Alemanha e para toda a Europa um parceiro muito importante, econômica e politicamente. "O Brasil é a economia mais forte da América Latina. O futuro de toda a América Latina é importante, também para termos um parceiro político no mundo que defenda uma economia de mercado socialmente equilibrada e democraticamente controlada. Na atual situação, não vejo isso. Um presidente Bolsonaro representaria uma privatização radical, um sangramento sociopolítico do país e o rompimento com acordos internacionais", diz ela.

Leia a entrevista na íntegra, publicado pela agência alemã de notíciasDeutsche Welle.
CURTA ESSA MATÉRIA PELO FACEBOOK: