Governo quer cortar abono do PIS porque acha que é pago a quem não precisa tanto


O abono salarial do PIS/Pasep, bônus anual de até um salário mínimo pago a empregados de baixa renda, é ruim para a economia brasileira, pois beneficia pessoas de 'renda intermediária', em detrimento daquelas que vivem de fato na pobreza, e gera desigualdade na maneira como está configurado hoje.
É este um dos argumentos apresentados pelo governo para justificar a alteração proposta para o benefício com a reforma da Previdência: pelo texto apresentado, o abono salarial passaria a ser pago a trabalhadores que ganham apenas um salário mínimo, no lugar do teto atual de dois salários. O benefício é voltado apenas para empregados com carteira assinada.

As informações fazem parte dos documentos de detalhamento da reforma da Previdência que estavam sob sigilo e foram apresentados na semana passada. Em sua justificativa, o governo também afirma que o abono, criado na década de 1970, perdeu seu sentido de complementação de renda ao longo das décadas graças à política de valorização do salário mínimo, que garantiu ganhos acima da inflação aos trabalhadores nos últimos anos. Esta política está sob revisão do governo e pode ser encerrada.

A economia estimada pelo governo com a redução na base de beneficiários do abono salarial, o que tem chamado de "focalização do abono salarial", é de R$ 169,4 bilhões em dez anos. É o equivalente a 13,7% da economia total de R$ 1,236 trilhão projetada até 2020 caso todas as alterações propostas sejam aprovadas na íntegra.

(Fonte: Uol)

CURTA ESSA MATÉRIA PELO FACEBOOK: