Informais só receberão os R$ 600 a partir de sexta-feira

Até lá, só receberá o auxílio, portanto, quem já estava registrado pelo CadÚnico antes da pandemia da Covid-19.


Muita gente ainda não recebeu o benefício emergencial de R$ 600 que promete ajudar os trabalhadores informais durante a crise do novo coronavírus e, por isso, segue lotando as agências da Caixa e da Receita Federal para tentar entender o que houve com o pagamento. O governo admitiu, ontem, que os mais de 35,5 milhões de brasileiros que se cadastraram no aplicativo e no site da Caixa precisarão de um pouco mais de paciência, pois terão acesso ao dinheiro a partir de sexta-feira. Até lá, será beneficiado quem estava no CadÚnico e no Bolsa Família antes da pandemia de Covid-19.
Coube ao ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, explicar o que aconteceu com o pagamento dos R$ 600.

Durante coletiva realizada no Palácio do Planalto, alegou que a checagem dos dados apresentados pelos informais no aplicativo do benefício emergencial acabou durando mais tempo que o esperado. “São milhões de batimentos para cada grupo de trabalhadores”, afirmou, lembrando que o governo precisa conferir o cadastro de cada trabalhador para ter certeza de que, de fato, há direito ao benefício e, assim, encaminhar a ficha de pagamento para a Caixa Econômica Federal.

Onyx ainda admitiu que essa checagem, que o governo inicialmente estimou em cerca de 48 horas, só começará a ser concluída hoje – uma semana depois do lançamento do aplicativo do benefício emergencial. Como a Caixa precisa de 48 horas para fazer o depósito desse pessoal, o pagamento do primeiro grupo de informais acontecerá a partir de sexta-feira. “Vamos trabalhar noite adentro para permitir que, no máximo até a amanhã desta quarta-feira, possamos transmitir a lista de beneficiados para a Caixa Federal, para que, a partir de sexta-feira, esse grupo possa receber”, disse Onyx.

O ministro reconheceu, contudo, que nem todos os 35,5 milhões de brasileiros que se registraram no aplicativo receberão o auxílio na sexta-feira. O governo está avaliando os dados dos 23 milhões de informais que concluíram o cadastro nos quatro primeiros dias de funcionamento do aplicativo, ou seja, até sexta-feira da semana passada.

Quem deixou para fazer o cadastro depois, contudo, ainda não começou a ter os dados avaliados. Por isso, só deve receber os R$ 600 na próxima semana. “Fomos do dia 7 ao dia 10 cadastrando. Os outros processaremos a partir desta terça-feira, para que possam receber na próxima semana”, disse Onyx.

O titular da pasta da Cidadania confirmou, porém, a ideia de pagar todos os trabalhadores que têm direito ao benefício na próxima semana. A proposta do governo é começar a depositar a segunda parcela dos R$ 600 logo depois, a partir do dia 27. Para garantir o cumprimento desse calendário, a Receita Federal informou que os 11 milhões de CPFs que apresentavam pendências na Justiça Federal serão regularizados no sistema da Caixa hoje. A Receita ainda promete responder, até amanhã, os 84 mil brasileiros que pediram a inscrição ou a regularização do CPF por e-mail nos últimos dias.

Onyx também ressaltou que, enquanto não começa o pagamento dos trabalhadores registrados pelo aplicativo, o governo está depositando o dinheiro dos brasileiros que estavam registrados no CadÚnico e no Bolsa Família antes da Covid-19 e têm direito ao benefício.

Segundo a Caixa, foram pagos R$ 2,1 bilhões a 3,3 milhões de brasileiros do CadÚnico.

As mulheres chefes de família que têm direito ao auxílio em dobro (R$ 1,2 mil) receberam ontem. E mais 8,6 milhões de brasileiros serão beneficiados nesta semana.

Correio Brasiliense

CURTA ESSA MATÉRIA PELO FACEBOOK: