PMS invadem hospital para roubar bala que matou menina Ágatha

Um grupo de policiais militares invadiu o hospital Getúlio Vargas na noite do último sábado (28), para tentar roubar a bala que matou a menina Ágatha Félix, de 8 anos, no mês passado. O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), se manifestou na tarde de hoje a respeito da informação publicada pela revista Veja e confirmada por médicos e funcionários que estavam no local no momento da invasão.
Segundo o governador do Rio de Janeiro, os culpados serão punidos | Reprodução
Segundo a publicação, pelo menos dez PMs foram à instituição na Penha, zona norte do Rio de Janeiro, e tentaram subtrair o projétil. Apesar da pressão, médicos e enfermeiros não entregaram o objeto, que foi encaminhado à Polícia Civil para investigação.
"Sobre a informação de que policiais militares teriam tentado pegar a bala que atingiu a menina Ágatha, minha posição é firme: tudo será apurado com rigor. Os fatos, se comprovados, são inadmissíveis. Os culpados serão punidos", prometeu Witzel em sua conta no Twitter.
Ágatha foi atingida pelas costas por um tiro de fuzil na noite de 20 de setembro, quando estava com a mãe em uma kombi no Complexo do Alemão. Segundo o Instituto Médico Legal, a menina foi vítima de lacerações no fígado, no rim direito e em vasos do abdômen, provocadas pelo tiro.
Os peritos do Instituto de Criminalística Carlos Éboli não conseguiram determinar calibre, número ou direcionamento das raias do fragmento da bala que foi retirado do corpo de Ághata. Até a última terça-feira, sete armas (sendo cinco fuzis e duas pistolas) haviam sido periciadas.

Testemunhas afirmam que o disparo foi efetuado por um policial militar. A Polícia Civil suspeita que um dos dois PMs que participaram na terça-feira da reconstituição da morte seja o autor do disparo, segundo informou a Rede Globo. O militar passou mal durante a reconstituição.
Fonte: Uol
CURTA ESSA MATÉRIA PELO FACEBOOK: