Prevenção ao suicídio marca campanha do 'Setembro Amarelo'; conheça a causa

No próximo dia 10 de setembro, o mundo se volta para uma das mais importantes causas da saúde pública no século XXI: a conscientização sobre a prevenção ao suicídio. Nesta data, é comemorado o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio e, por isso, desde 2015, algumas associações se mobilizaram para criar o "Setembro Amarelo", que busca chamar atenção para a questão. 
Reprodução
"A ideia é pintar, iluminar e estampar o amarelo nas mais diversas resoluções, garantindo mais visibilidade à causa", explica o movimento, liderado por Centro de Valorização da Vida (CVV ), Conselho Federal de Medicina (CFM) e Associação Brasileira de Psicologia (ABP). 
De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS ), nove em cada dez mortes por suicídio podem ser evitadas. No Brasil, 32 pessoas se matam por dia. No mundo, há uma morte do tipo a cada 40 segundos. 
Para a campanha "Setembro Amarelo", "a primeira medida preventiva é a educação". "É preciso perder o medo de se falar sobre o assunto. O caminho é quebrar tabus e compartilhar informações. Esclarecer, conscientizar, estimular o diálogo e abrir espaço para campanhas contribuem para tirar o assunto da invisibilidade e, assim, mudar essa realidade", diz o grupo, em reportagem feita pelo portal UOL. 
A campanha define o suicídio como um fenômeno complexo, de múltiplas determinações. "Mas saber reconhecer os sinais de alerta pode ser o primeiro e mais importante passo", pontua o grupo. Fatores que merecem atenção são isolamento, mudanças de hábitos, perda de interesse por atividades que gostava, descuido com aparência, piora do desempenho na escola ou no trabalho, alterações no sono e no apetite.
De acordo com o grupo, para fazer propaganda da causa, ficarão com iluminação amarela monumentos e prédios de relevância no Brasil como Cristo Redentor, o Congresso Nacional e o Palácio do Itamaraty, o estádio Beira-Rio e o elevador Lacerda, entre outros. 
Times de futebol, como Santos, Flamengo e Vitória também farão parte da campanha. 
O movimento, porém, lembra que "todos podem ser divulgadores desta importante causa". "Ações na rua, caminhadas, passeios ciclísticos, roupas amarelas ou simplesmente o uso do laço no peito já despertam atenção e contribuem para a conscientização", diz o grupo. 
(Com informações do portal UOL)
CURTA ESSA MATÉRIA PELO FACEBOOK: