Palestina condena anúncio de Bolsonaro sobre escritório em Jerusalém e convoca embaixador

A Autoridade Palestina condenou "nos termos mais fortes" a decisão brasileira de abrir um escritório de negócios em Jerusalém e convocou seu embaixador no Brasil para consultas, segundo comunicado divulgado neste domingo (31).

"Entraremos em contato com nosso embaixador no Brasil para chamá-lo para consultas, para tomarmos as decisões apropriadas para lidar com esta situação", disse o Ministério das Relações Exteriores da Autoridade Palestina, em comunicado.

A decisão de abrir o escritório foi anunciada por Jair Bolsonaro durante visita a Israel neste domingo (31). O presidente prometeu mover a embaixada brasileira de Tel Aviv para Israel durante sua campanha, mas até agora não cumpriu essa promessa. 

O Ministério disse que considera a decisão brasileira "uma violação descarada da legitimidade e das resoluções internacionais, uma agressão direta ao nosso povo e a seus direitos e uma resposta afirmativa para a pressão israelita-americana que mira reforçar a ocupação, a construção de assentamentos e a judaização da área ocupada em Jerusalém.

O comunicado reitera que a Palestina considera Jerusalém como parte de seu território. 

Segundo o jornal The Jerusalem Post, a Autoridade Palestina irá debater com outros países uma resposta unificada para a decisão brasileira. 

Neste domingo, Bolsonaro anunciou a abertura de "escritório, em Jerusalém, para promoção do comércio, investimentos e intercâmbio em inovação e tecnologia" -uma repartição sem status diplomático para estimular negócios entre os países.

"Saúdo a decisão de abrir (...) um escritório oficial do governo do Brasil, em Jerusalém", afirmou o premiê de Israel, Binyamin Netanyahu. "Espero que este seja o primeiro passo para a abertura da embaixada brasileira em Jerusalém." 
Bolsonaro, pressionado para não afastar os países árabes, importantes importadores da carne brasileira, decidiu adotar uma medida intermediária. 
A proposta de mudar o local da embaixada, porém, contraria a tradição diplomática brasileira de seguir a orientação das Nações Unidas e esperar uma resolução do conflito entre israelenses e palestinos para definir o status de Jerusalém, que ambos os povos clamam como sua capital. 

Atualmente, apenas EUA e Guatemala mudaram suas embaixadas para Jerusalém.

(FolhaPress)

CURTA ESSA MATÉRIA PELO FACEBOOK: