Relatório aponta que Ceará tem oito açudes em situação de alto risco

Em consequência da tragédia de Brumadinho (MG), a gestão da estrutura de recursos hídricos virou fator de preocupação em todo o País. No Ceará, o cenário não é diferente, apesar de as chances de rompimento de barragens serem inferiores, devido ao sistema estar com volume baixo, em 10,5%.

Segundo relatório de Segurança Hídrica de 2017, da Agência Nacional de Águas (ANA), o Ceará tem oito açudes em situação de alto risco. Destes, sete são de responsabilidade do Dnocs e um da Cogerh, o Jaburu. Localizado na Ibiapaba, foi construído em área de estrutura geológica não favorável. "De vez em quando apresenta vazamentos", diz Francisco Teixeira, titular da Secretaria dos Recursos Hídricos (SRH), que ontem participou de reunião com diretores da agência.

"Não é porque uma barragem está em alto risco que vai romper da noite pro dia. Geralmente conseguimos saber quando uma barragem está para romper. 

Para isso fazemos ações preventivas e corretivas", ressalta. Há um ano, a pasta gastou R$ 4 milhões em reparos no Jaburu. Outra barragem na lista da ANA é Lima Campos, em Icó. Construída em 1932, necessita de constante manutenção.

De acordo com Teixeira, a SRH notificou os 184 municípios cearenses para que gestores cadastrem todos reservatórios. Ao todo, são mais de 30 mil barragens no Ceará, entre as monitoradas pela Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh), pelo Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs) e privadas.

"Segurança absoluta não existe em nenhuma barragem. Tem que gerenciar de forma adequada, acompanhar e monitorar. Mas não vai acontecer o mesmo de Mariana e Brumadinho. Nem de longe é um risco tão alto quanto ali nas montanhas de Minas Gerais", pondera. Ele informa que R$ 24,7 milhões entrarão em licitação para realizar mais reparos.

Ter reservatórios em alto risco significa, conforme Oscar Cordeiro, diretor de regulação da ANA, estar com algum tipo de dano físico ou má administração. "A classificação leva em conta essencialmente características de conservação. Vemos se é um projeto antigo que não tem informações atualizadas e, de fato, problemas estruturais".

Segundo ele, a classificação está ultrapassada. "Estamos trabalhando para modificar esses critérios. Temos que lembrar que Brumadinho não tinha alto risco, mas olha o que causou".


OITO AÇUDES

As barragens listadas como tendo alto risco, além do Jaburu (Ubajara), são: Ayres de Sousa (Jaibara, em Sobral), Forquilha, Frios (em Umirim), Lima Campos (em Icó), Paulo Sarasate (Araras, em Varjota), Pompeu Sobrinho (Choró) e Várzea do Boi (Tauá). O arquivo 2017 da ANA está disponível no site da agência.

Fonte: O Povo
CURTA ESSA MATÉRIA PELO FACEBOOK: