Quase 3 mil presos são transferidos em meio à onda de ataques no Ceará


A transferência de presos das cadeias públicas tem obedecido uma divisão por facções já existente no sistema prisional.

Pelo menos 84 cadeias públicas foram desativadas somente este mês no Ceará. A informação foi confirmada pelo Governo do Estado.

Durante esse processo, mais de 2.800 presos foram transferidos para presídios maiores, segundo o Conselho Penitenciário.

A transferência também reforça a superlotação dos presídios. Em dezembro, as grandes unidades que tinham capacidade para 9.736 presos abrigavam 16.147 presos, um excedente de 66%. Para o presidente da Associação Nacional de Advocacia Criminal do Ceará, Alexandre Sales, juntar os presos por facções fortalece as organizações criminosas.

A divisão de presos por facções criminosas nunca foi confirmada pelo Governo do Estado, mas é reconhecida no sistema prisional, onde cada presídio abriga detentos de uma organização criminosa específica. Essa divisão permite que integrantes de facções rivais fiquem separados, evitando confrontos e mortes.
CURTA ESSA MATÉRIA PELO FACEBOOK: