Professor está entre as profissões que mais cresceram no Ceará

As constantes mudanças de demanda no mercado de trabalho ao longo dos últimos anos esconderam determinadas profissões ao passo que impulsionaram a presença de outras. No Ceará, pelo menos 51 delas apresentaram um crescimento de mais de 1000% no número de profissionais atuantes nos últimos 10 anos, de acordo com um levantamento realizado pelo Ministério do Trabalho, sendo a educação superior um dos principais destaques no ranking.
A lista, elaborada com base em dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), mostra os professores em onze das 50 ocupações que mais expandiram no Estado entre 2007 e 2017, sendo a maioria no nível superior. Enquanto em 2007 o Ceará contava com apenas 14 professores de técnicas comerciais e secretarias, no ano passado o número saltou para 1.237 - alta de 8.735,7%, segundo lugar no ranking.

O professor de ensino superior na área de orientação educacional foi a quinta profissão com maior crescimento percentual (4.113,33%). Em números absolutos, houve avanço de 30 profissionais para 1.264 em um intervalo de 10 anos. O professor de Medicina figura logo em seguida, de 9 para 358, crescimento de 3.877,78%. Os professores de alunos com deficiência múltipla passaram de 10 para 309 em 2017, alta de 2.990%.

Primeiro lugar
A profissão que mais expandiu nos últimos 10 anos foi a de primeiro oficial de máquina da Marinha Mercante, segundo o Ministério do Trabalho. Em 2007, era apenas uma pessoa exercendo a atividade, número que saltou para 327 no ano passado. Em números relativos, um crescimento de 32.600% em dez anos.

Integram ainda a lista dos dez primeiros - depois do professor de técnicas comerciais e secretariais, que ocupa a segunda posição - operador de painel de controle (5.400%); tecelão de tear mecânico (5.100%); operador de máquina de produtos farmacêuticos (5.000%); identificador florestal (3.400%); montador de equipamento de levantamento (3.100%) e técnico em farmácia, com crescimento de 3.050% no período.

De acordo com o Ministério do Trabalho, também houve expansão no número de profissionais de diversas áreas com ensino médio completo, de 2.708 em 2007 para 28.318 em 2017. O segundo maior crescimento foi observado o ensino superior: eram apenas 1.111 com graduação em 2007 e 7.383 no ano passado.

Na outra ponta da tabela, apresentou queda em dez anos o número de professores de desenhos técnicos (-99,7%); produtor de espécies frutíferas rasteiras (-99,7%); drageador (-99,3%) e operador de laminador de barras a quente (-98,3%).

No País, a ocupação que mais cresceu no período está relacionada ao envelhecimento da população. Os cuidadores de idosos tiveram um aumento de 547%, passando de 5.263 profissionais em 2007 para 34.051 em 2017, dos quais 85% são mulheres com o ensino médio completo.

Fonte: Diário do Nordeste
CURTA ESSA MATÉRIA PELO FACEBOOK: