Justiça autoriza transferência de chefe de facção responsável pela maior chacina do Ceará


O Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) autorizou a transferência de presídio do chefe de uma facção criminosa que expulsou famílias das residências e foi responsável pela maior chacina do estado, com 14 mortes, no Bairro Cajazeiras, em Fortaleza. A justiça atendeu a um pedido da defesa do preso, que alegou que ele estava recebendo ameaças dentro na prisão.

Auricélio Sousa Freitas, 35, conhecido com 'Celim', foi preso em um carro blindado no dia 11 de julho deste ano. Ele é suspeito de ser o mandante da "chacina das Cajazeiras". Um total de 14 pessoas foram assassinadas dentro de um clube de forró na capital.

O chefe da facção está detido em um cela individual no Centro de Detenção Provisória, em Aquiraz. A defesa do preso afirmou que ele sofre ameaça de outros internos que pertencem a facções rivais. Com isso, a defesa requereu a transferência para um local que abrigue outros presos da mesmo grupo de Celim.

Ao analisar o pedido, o juiz Fernando Antônio Pacheco Carvalho Filho, da Corregedoria dos Presídios e Estabelecimentos Penitenciários da Comarca de Fortaleza decidiu que o preso fosse transferido para outra unidade. Apesar da autorização, o preso segue aguardando uma vaga no sistema penitenciário cearense.

Mandante de chacina
O homem é apontado pela polícia como chefe da facção criminosa que organizou a chacina das Cajazeiras, considerada a maior do Ceará. A chacina aconteceu na madrugada de 27 de janeiro deste ano, quando membros de uma facção invadiram o clube Forró do Gago, no Bairro Cajazeiras, onde acontecia uma festa.

Eles dispararam vários tiros, matando 14 pessoas. As investigações apontaram a rivalidade entre facções criminosas como a motivação do crime.
CURTA ESSA MATÉRIA PELO FACEBOOK: