Gabigol brilha, Michael marca e Flamengo goleia a Cabofriense na Taça Rio

Vindo de três títulos conquistados de maneira sequencial, o Flamengo enfrentou a Cabofriense neste sábado (29), estreia dos dois clubes na Taça Rio de 2020. Mesmo com apenas dois jogadores considerados titulares -Gabigol e Willian Arão-, o clube rubro-negro dominou a partida e venceu por 4 a 1, com gols de Michael e Gabigol (três vezes); Gama descontou para o time adversário.
Alexandre Vidal / Flamengo
Após o resultado deste fim de semana, o foco do time comandado pelo técnico Jorge Jesus é na estreia da equipe na Copa Libertadores da América: quarta-feira (4), diante do Junior Barranquila, da Colômbia. O rubro-negro está no Grupo A, ao lado dos colombianos, do Barcelona de Guayaquil e do Independiente del Valle, atual campeão da Sul-Americana.
Na próxima rodada da Taça Rio, o Flamengo enfrentará o Botafogo, no sábado (7), novamente no estádio do Maracanã, enquanto a Cabofriense enfrentará a Portuguesa, no mesmo dia, desta vez nos seus domínios, no Correão.
Um dos grandes nomes do elenco do Flamengo em 2019, Gabigol já começou a temporada fazendo o que mais sabe -gols- e foi o melhor da partida. Depois de um primeiro tempo apático, o camisa nove do rubro-negro marcou três belos gols na segunda etapa e decretou a goleada do rubro-negro na estreia do time na Taça Rio.
A dupla de zaga do rubro-negro, formada neste sábado por Thuler e Dantas, não foi bem na partida, oferecendo muito espaço para o ataque da Cabofriense -algo que aconteceu constantemente na primeira etapa. No gol da equipe adversária, Gama conseguiu marcar após o meio-campo da Cabofriense acertar o passe e deixar o jogador de frente para César.
Único dos novos reforços que ainda não havia estreado, Pedro Rocha iniciou o jogo, mas teve atuação apagada. O camisa 32 sentiu muito a falta de ritmo, não conseguiu imprimir sua principal característica, a velocidade, mas deu ótimo passe no lance do primeiro gol do Flamengo. Ele foi substituído por Pedro ainda no início da etapa final.
De olho na visibilidade conferida pelo confronto diante do Flamengo, os jogadores da Cabofriense entraram em campo com uma faixa com os seguintes dizeres: "Lagoa de Araruama: chega de poluição". O mesmo protesto havia sido feito antes do jogo contra o Fluminense.
O Flamengo não teve uma atuação ruim neste sábado, porém a equipe perdeu muitas chances de estufar as redes do goleiro George. No primeiro tempo, Michael teve ao menos duas oportunidades de colocar o time em vantagem, enquanto Pedro Rocha não conseguiu marcar na sua estreia pelo clube.
A Cabofriense não se encolheu durante os 90 minutos e tentou agredir o rival, que deu espaços para a equipe da região dos Lagos. Com o sistema defensivo do adversário inteiramente formado por reservas, o clube encontrou brechas nas costas da zaga e assustou César, que fez boa defesa em arremate de Rincon. Desmarcado, Gama ainda conseguiu o gol de empate.
Quando a partida estava empatada em 1 a 1, uma inversão de lados fez o Flamengo subir de produção no Maracanã. Apagado pelo lado direito, Vitinho mudou de lado com Michael e ambos melhoraram. O Flamengo passou a ser mais agressivo e levou mais perigo ao time rival. Gabigol recuou um pouco e trabalhou como um articulador, mudança que também foi positiva. Foi de Michael a jogada que resultou no segundo gol rubro-negro, marcado pelo camisa 9.

Estádio: Maracanã, no Rio
Juiz: Alexandre Vargas Tavares de Jesus
Assistentes: Silbert Faria Sisquim e Andréa Izaura Maffra Marcelino de Sá
Público / Renda: 28.464 presentes / R$ 721.609,50
Cartões amarelos: Victor Souza e Victor Feitosa (Cabofriense); Renê, Thuler e Pedro (Flamengo)
Gols: Michael, aos 12min e Gama aos 21min do primeiro tempo; Gabriel Barbosa aos 18min, aos 31 e aos 44 do segundo tempo.

FLAMENGO
César; João Lucas (Berrío), Thuler, Dantas (Thiago Maia) e Renê; Willian Arão, Diego e Vitinho; Michael, Pedro Rocha (Pedro) e Gabriel Barbosa. T: Jorge Jesus

CABOFRIENSE
George; Victor Souza (Magno), Lucas Cunha, Galdino e Guilherme; Victor Feitosa, Leonardo de Aquino (Marcus Índio), Gama e Pedrinho (Rafael Pernão); Rincon e Felipe Adão. T;: Luciano Quadros da Silva

CURTA ESSA MATÉRIA PELO FACEBOOK: