Cearense que vive na Itália diz não ter condição de pagar 15 euros por máscara e tenta repatriação

A cearense Francisca Graciane Ferreira, mãe de quatro filhos, vive há 15 anos em Nápoles, na Itália, com a família e diz que “o clima é de salve-se quem puder” com o pior surto de coronavírus da Europa. Casada com um italiano, Graciane comenta que não tem condições de comprar máscara protetoras para ela e família, que chegam a custar 15 euros. Por conta situação do país, ela quer voltar ao Brasil por meio de repatriação.

Em coletiva de imprensa na terça-feira (11), a Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou a doença como pandemia. No mesmo dia, Ministério da Saúde diz que a repatriação de brasileiros na Itália “não está no radar”.
CURTA ESSA MATÉRIA PELO FACEBOOK: