"Vamos privatizar os Correios", afirma Bolsonaro durante reunião com empresários

Diante uma plateia de empresários, na manhã de terça-feira (6), no 29º Congresso Expofenabrave em São Paulo, o presidente Jair Bolsonaro anunciou que vai privatizar os Correios. O evento é organizado pela associação de concessionárias de veículos.
Ministro Marcos Pontes diz que não existe, ainda, processo para a privatização e que acredita na melhora e na recuperação da estatal | ReproduçãoAs informações são do Valor Econômico.
Ele disse aos investidores que está tomando uma série de medidas para “destravar a vida de vocês” e anunciou: “Vamos privatizar os Correios”. Em seguida, foi aplaudido pelos presentes.
O presidente afirmou que mudou seu ponto de vista em relação às privatizações. “Eu mudei. Era estatizante”, afirmou, dizendo que tem aprendido bastante com as pessoas que estão ao seu lado. “Já falei que não entendo de economia. Quem entendia, afundou o Brasil”, disse.
Bolsonaro afirma que vê sinais de melhora na economia brasileira e acredita que sua gestão está trazendo de volta a confiança na classe política. "Nós estamos cumprindo o que diz a Constituição em relação à independência dos Poderes", afirmou.
CONTRADIÇÃO
O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, disse, também na terça-feira (6), que não existe nenhum documento oficial ou ordem do presidente para privatizar os Correios.
“Não existe nenhum processo dessa natureza, seja procedimento de desestatização ou privatização ou algo nesse sentido. Se houve decisão de iniciar esse processo, acho conveniente no futuro reunir essas ideias e trabalhar, se um dia for decidido, da melhor maneira possível com a participação de todos”, disse durante audiência pública na Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados.
Segundo o Valor Econômico, sindicalistas que estavam na audiência afirmaram que a fala do presidente Jair Bolsonaro (e declarações recorrentes do ministro Paulo Guedes) sobre a privatização dos Correios não condizem com a postura do presidente da estatal, Floriano Peixoto Vieira Neto, que também estava na audiência, e do ministro Pontes.
"O que temos hoje de concreto é trabalhar para que os Correios sejam sustentáveis, em termos econômico e financeiro, e que a empresa cresça", disse Marcos Pontes.
Floriano Peixoto admitiu que, apesar de não ter sido notificado sobre o processo de privatização da estatal, tem conduzido estudos sobre alternativas de venda do controle societário à iniciativa privada.
CURTA ESSA MATÉRIA PELO FACEBOOK: