Bolsonaro diz que democracia e liberdade só existem quando as Forças Armadas querem. Oposição condena declaração



O presidente Jair Bolsonaro fez, nesta quinta-feira (07/02), um discurso em que vincula democracia e liberdade à vontade das Forças Armadas. Em uma fala de pouco mais de 4 minutos na cerimônia de formação de fuzileiros navais no Rio de Janeiro, o presidente disse que seu governo será exercido ao lado "daqueles que amam a democracia e a liberdade. E isso, democracia e liberdade, só existem quando a sua respectiva Forças Armadas assim o quer".

Figuras da oposição atacaram o discurso. A presidenta do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), escreveu no Twitter que Bolsonaro "não tem limites na agressividade", e que a democracia "não é objeto de tutela ou permissão". Outros parlamentares petistas também atacaram a declaração.

O líder da oposição na Câmara, deputado Alessando Molon (Rede-RJ), repudiou a fala do presidente. "Dizer que a democracia e a liberdade só existem quando as Forças Armadas querem é uma ameaça inaceitável", escreveu o parlamentar, também no Twitter. Bolsonaro não deu, após o evento, explicações sobre o sentido de sua fala.

Já o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB), foi procurado pela imprensa em Brasília e saiu em defesa do presidente. Mourão afirmou que o discurso foi "mal interpretado". "O que que o presidente quis dizer? Está sendo mal interpretado. O presidente falou que onde as Forças Armadas não estão comprometidas com democracia e liberdade, esses valores morrem. É o que acontece na Venezuela. Lá, infelizmente, as Forças Armadas venezuelanas rasgaram isso aí", disse o vice

Bolsonaro também pediu aos militares "sacrifício" em prol da reforma da Previdência. A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma foi enviada sem a parte que trata das aposentadoria dos militares. Este texto, segundo o governo, será apresentado em um projeto de lei separado ainda neste mês.

“Peço também o sacrifício porque entraremos, sim, na nova Previdência, que atingirá os militares", disse Bolsonaro na cerimônia no Rio. "Mas não deixaremos de lado e não esqueceremos as especificidades do cargo de vocês. Temos um ministério firmado por pessoas comprometidas com o futuro do Brasil, que nos ajudam a conduzir essa grande nação”, disse.

A ideia do governo é aumentar o tempo de contribuição dos militares de 30 para 35 anos e subir a alíquota de contribuição de 7,5% para 10,5%. Policiais militares e bombeiros deverão ser submetidos às mesmas regras, pela proposta do ministério da Economia.

Com informações portal Congresso em Foco
CURTA ESSA MATÉRIA PELO FACEBOOK: