Com Tasso, Girão e Cid, Ceará começa bem no Senado Federal em 2019

Os senadores Tasso Jereissati (PSDB), Eduardo Girão (agora, do Podemos) e Cid Gomes (PDT) começaram bem a nova legislatura aberta, na última sexta-feira (1), com a acirrada disputa pela Mesa Diretora e grande desgaste para a imagem do Senado Federal. O tucano tem mais quatro anos de mandato, enquanto Girão e Cid são estreantes na Câmara Alta do Congresso Nacional.

Tasso, Girão e Cid deram, em meio ao acirramento da disputa entre os senadores Renan Calheiros (MDB) e Davi Alcolumbre (DEM), demonstração de civilidade,  moderação, bom senso e sintonia com os novos tempos da política. Girão, que, em 2018, derrotou o então presidente do Senado, Eunício Oliveira, foi um dos articuladores para a eleição a presidente da Mesa Diretora ser realizada com o voto aberto. Fora do Senado, Eunício atuou nos bastidores para ajudar o aliado Renan Calheiros.
A aprovação de um requerimento no Plenário, com o apoio de 50 senadores, para a eleição ter votação aberta, gerou um dos mais desagradáveis episódios da história do Senado.
Ao final da noite de sexta-feira, após uma longa sessão marcada pelo bate boca e agressões verbais, Cid Gomes, que classificou de casuísmo o descumprimento do Regimento Interno quanto ao voto secreto, foi uma das vozes ouvidas para a escolha do presidente do Senado ser transferida para o sábado.
A sugestão de Cid Gomes foi acatada e, no sábado (2) pela manhã, antes da sessão ser aberta, outro cearense – Tasso, entrava no protagonismo: o tucano atraiu para o seu gabinete líderes de vários partidos, retirou a candidatura ao comando do Senado, ajudou a sepultar  as pretensões do senador Renan Calheiros – com quem travou áspera discussão, e articulou apoio ao favorito Davi Alcolumbre. 
O voto aberto antecipou a derrota do senador Renan Calheiros, que tentava, pela quinta vez, presidir o Senado Federal. Renan não desistiu  da disputa e, após a primeira sessão preparatória ser adiada em meio ao tumulto, manteve a candidatura para, no sábado, diante do cenário completamente adverso, entregar os pontos.
A renúncia permitiu a vitória, por 42 votos, de David Alcolumbre, senador pelo Amapá. Oficializado o resultado da eleição, Alcolumbre fez agradecimentos especiais a Tasso Jereissati pelas articulações que o ajudaram a chegar à vitória.
Fonte: Ceará Agora.
CURTA ESSA MATÉRIA PELO FACEBOOK: