Chuvas mudam paisagem do sertão nordestino


As últimas chuvas caídas no fim de novembro passado e início deste mês já foram suficientes para mudar a paisagem do sertão nordestino: a vegetação seca, cinza da Caatinga, deu lugar ao verde. No solo, a pastagem nativa surge para alegria e alívio dos pequenos criadores que, nesta época do ano, enfrentam período de dificuldades para alimentar o rebanho. A mata nativa se renova e a vida volta a pulsar com esperança de mais precipitações no campo.

Quem percorre as rodovias estaduais e vicinais já percebe a diferença. "Se continuar chovendo, teremos um bom inverno no ano que se aproxima", torce o agricultor José Custódio, da localidade Vila União, zona rural de Iguatu. É essa a esperança dos agricultores. O fim do ciclo de estiagem, de um período de chuvas abaixo da média, que castiga o sertão cearense desde 2012. "O ano passado já foi bem melhor", observa o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Iguatu, Evanilson Saraiva. "Estou esperando que no ano novo tenhamos muitas chuvas para encher riachos, rios e açudes".
Foto -  Honório Barbosa

As últimas chuvas ainda não foram suficientes para recarga de açudes e cheias de riachos, mas já modificaram a paisagem do sertão e asseguram a alimentação do rebanho - bovino, ovino e caprino. "A babugem (pastagem nativa, gramíneas e capim que nascem após as primeiras chuvas) alimenta o gado, salva o rebanho que estava magro", disse o criador Antônio Cardoso, da localidade de São Pedro, Jucás. "Nesses últimos quinze dias, já choveu mais de 200 milímetros aqui no meu terreno. Estou esperançoso".

O criador Edmilson Duarte disse que o pasto nativo ressurge com força, modificando o cenário do sertão e contribuindo para alimentar o rebanho. "As chuvas vieram mais cedo neste ano, aliviando as nossas dificuldades", comemorou. "Para o gado, tem sido uma salvação", pontuou o diretor do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Iguatu, Sebastião Alves.

De acordo com a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), em novembro passado as chuvas ficaram 177% acima do esperado para o período, que é de 5.8mm. Foram observados em média 16mm.
"Estamos no mês de pré-estação chuvosa, que tem média reduzida, mas que é importante quando chove, favorecendo a agropecuária", observa o secretário de Agricultura de Iguatu, Hildernando Barreto. A Funceme prevê mais chuvas no decorrer do mês.

Previsão
O Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) chegou a divulgar previsão de chuvas abaixo da média para o período de pré-estação no Ceará (novembro, dezembro e janeiro). A preocupação dos meteorologistas é com relação à formação do fenômeno El Niño (aquecimento das águas superficiais do Oceano Pacífico) que interfere para que ocorra, geralmente, chuvas abaixo da média no Ceará. "Daí a importância de boas chuvas na pré-estação e em fevereiro, início da quadra chuvosa", observou o meteorologista da Funceme, Raul Fritz.

Ontem, a meteorologista da Funceme, Meiry Sakamoto, informou que as condições do Oceano Pacífico sinalizam que a previsão de El Niño, de fraco a moderado, podem minimizar a expectativa de chuvas abaixo da média no Ceará em 2019. A informação foi repassada no Paço Municipal, durante coletiva sobre as ações da Prefeitura de Fortaleza para a próxima estação de chuvas. Apesar desse cenário, Sakamoto reforçou que as condições podem mudar até janeiro, e que o prognóstico de chuvas será divulgado apenas no dia 18 de janeiro. De acordo com o Instituto Internacional de Pesquisa para Clima e Sociedade (IRI, em inglês), há 80% de chances de ocorrência do El Niño no período de fevereiro a abril de 2019. Porém, para o Ceará, é necessário que sejam observadas as anomalias de Temperatura de Superfície do Mar (TSM) do Oceano Atlântico, que interferem no posicionamento da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT).
CURTA ESSA MATÉRIA PELO FACEBOOK: