Redução de casos de Aids no CE é menor que a média nacional

O Ceará reduziu os casos de Aids em um ritmo mais lento que a média nacional entre 2012 e 2017. O número de confirmações do vírus caiu de 1.360 em 2012 para 1.232 em 2017, conforme dados divulgados nesta terça-feira (27) pelo Ministério da Saúde, no boletim epidemiológico de Aids e HIV.

A queda no estado foi de 9,5%, enquanto a média nacional no mesmo período de 16%. Em 2012, a taxa de detecção no país era de 21,7 casos por cada 100 mil habitantes e, em 2017, foram 18,3, uma queda de 15,7%.

O estudo mostra também que o Ceará tem a quarta maior incidência de Aids entre crianças com menos de cinco anos, com 10 caso para cada 100 mil habitantes. O estado empata com o Pará e fica atrás de Rio Grande do Sul (14 casos por grupo de 100 mil pessoas), Rio de Janeiro (13) e São Paulo (12).

HIV em bebês
O boletim mostra ainda a diminuição da transmissão vertical do HIV, quando o bebê é infectado durante a gestação. A taxa de detecção de HIV em bebês reduziu em 43% entre 2007 e 2017, caindo de 3,5 casos para 2 por cada 100 mil habitantes. O aumento de testes realizados na Rede Cegonha contribuiu para a identificação de novos casos em gestantes. Em 2017, a taxa de detecção foi de 2,8 casos por 100 mil habitantes.

Nos últimos 7 anos, houve ainda redução de 56% de infecções de HIV em crianças expostas ao vírus após 18 meses de acompanhamento. Os novos dados ainda mostram que 73% das novas infecções de HIV ocorrem no sexo masculino, sendo que 70% dos casos entre homens estão na faixa de 15 a 39 anos.

De 1980 a junho de 2018, o Brasil registrou 926.742 casos de Aids no Brasil, uma média de 40 mil novos casos por ano. O número anual de casos de Aids vem diminuindo desde 2013, quando atingiu 43.269 casos; em 2017 foram registrados 37.791 casos.

G1
CURTA ESSA MATÉRIA PELO FACEBOOK: