Grau de seca extrema e moderada cresce no Ceará, aponta Monitor das Secas


O grau de seca extrema e moderada se agravou no Ceará no mês de setembro, segundo dados do Monitor das Secas, serviço de monitoramento da estiagem divulgado pelo governo federal. Segundo o estudo, assim como nos estados do Maranhão e Piauí, as poucas chuvas que ocorrem, historicamente, no mês de setembro contribuem para agravar o quadro de seca.


Na Região Noroeste, onde era observada uma área sem seca até agosto, os indicadores mostram um condição de seca fraca. Nas demais áreas do estado, observam-se a expansão, para Norte, da seca moderada e seca grave, bem como um aumento da área com seca extrema na Região Sul.

Dados Nordeste

Historicamente, no mês de setembro, no leste do Nordeste (NE) brasileiro, em uma área compreendida entre o Litoral Sul da Paraíba (PB) e o Litoral Sul da Bahia (BA), localizam-se as regiões do NE que possuem os maiores índices pluviométricos, com volumes entre 100 e 150mm.

Nas demais áreas do NE, os índices pluviométricos são inferiores a 75mm e, em grande parte do NE, como no centro-leste do Maranhão (MA), Piauí (PI), Ceará (CE), boa parte dos estados do Rio Grande do Norte (RN), PB, Pernambuco (PE), BA e extremo oeste de Alagoas (AL), a climatologia de precipitação é inferior a 25mm.

Durante o mês de setembro de 2018, os índices pluviométricos mais significativos, foram observados no litoral sul da BA e no extremo oeste do MA, com valores superiores a 100mm em algumas áreas.

No entanto, observa-se, anomalia de precipitação, que no litoral leste do NEB, em uma área compreendida entre o litoral do estado da PB e o litoral de AL, bem como em algumas áreas do litoral sul da BA, foram observadas anomalias negativas de precipitação.

CURTA ESSA MATÉRIA PELO FACEBOOK: