CAGECE Conta de água passa a ser entregue logo após a leitura


Os municípios de Bela Cruz, Frecheirinha, Jijoca de Jericoacoara, Marco, Paracuru, Aurora, Independência, Barro, Lavras da Mangabeira, Milagres, Carnaubal e Guaraciaba do Norte passam a receber o serviço ( FOTO: DEIVYSON TEIXEIRA )

Frecheirinha. Ter a conta do consumo de água em mãos, logo após a leitura do medidor, passou a fazer parte do cotidiano dos moradores de Frecheirinha, no Norte do Estado, assim como de milhares de outras pessoas do Interior. A novidade passou a vigorar nessa quarta-feira (1º) em mais 13 cidades do Interior.

Muitos municípios cearenses ainda não dispunham do serviço de faturamento imediato, implantado pela Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) em 1997, primeiramente na Capital, se estendendo a outras localidades.

O sistema, que contemplou até o mês de julho último novas 55 áreas de consumo, ou seja, cerca de 80% de cobertura, passará a beneficiar os municípios de Bela Cruz, Frecheirinha, Jijoca de Jericoacoara, incluindo a Vila de Jericoacoara, Marco, Paracuru, Independência, Aurora, Barro, Lavras da Mangabeira, Milagres, Carnaubal e Guaraciaba do Norte.

Na prática, os clientes contam com o trabalho imediato dos leituristas da Companhia, que visitam os imóveis mensalmente para o obter o consumo, por meio dos dados do hidrômetro.

A nova área de abrangência passa a atender os municípios inseridos nas bacias do Acaraú, Coreaú, na Bacia do Curu, Bacia do Salgado, região da Ibiapaba, além da Bacia do Parnaíba. "Com o serviço, o consumidor vai poder conferir de imediato sua conta com o leiturista, realizando a impressão da fatura, por meio de aparelho portátil apropriado, e não mais enviada pelo núcleo da Cagece no município, como feito anteriormente, o que demandava tempo no processamento de dados e envio da fatura pelos Correios.

O objetivo da mudança é otimizar o processo de faturamento, tornando-o mais rápido, prático e seguro", explica Maurício Braga de Oliveira, gerente de Faturamento e Arrecadação da Companhia. Devido à mudança do ciclo de faturamento, exclusivamente para a competência de agosto deste ano, o faturamento das contas será feito pela média de consumo dos últimos seis meses, adianta o gerente.

Tarifa de Contingência

Implantada em dezembro de 2015, na Capital e Região Metropolitana, a tarifa de contingência busca incentivar a população a diminuir o consumo de água frente à crise hídrica. Cada residência possui um limite de consumo mensal, que não pode ser ultrapassado. Caso isso ocorra, a cobrança é acrescida à conta da água. Os consumidores das 13 localidades do Interior atendidas pelo faturamento imediato não têm esse acréscimo, onde o dinheiro arrecadado é utilizado em ações que combatem o desperdício, como vazamentos, redução de perdas e substituição de redes, com a aprovação das agências reguladoras.

"Quando comparados os meses de junho de 2018 e junho de 2014, ano anterior à implantação da tarifa, e período em que a crise hídrica se agravou, a redução do volume consumido por ligação foi de 21%", afirma, ainda, Maurício Braga de Oliveira.
CURTA ESSA MATÉRIA PELO FACEBOOK: