» » Padre encontrado morto em Quixadá deixou carta que levou à prisão de suspeito de estelionato

Monsenhor Luís Orlando foi encontrado morto no último dia 16 (Foto: Reprodução/Diocese de Quixadá).

O religioso teria sido vítima de sucessivos golpes financeiros, com promessa de lucro. O esquema foi explicado pelo padre em carta de 18 páginas

Após a morte do monsenhor Luís Orlando de Lima, no último dia 16, em Quixadá (a 158 km de Fortaleza), policiais encontraram extensa carta que levou à prisão de Leanderson Pereira de Araújo, suspeito de estelionato que se identificava falsamente como assessor de deputado federal cearense e ainda servidor do Ministério do Turismo. Leanderson foi preso preventivamente na tarde dessa terça-feira, 27, após tentar atrapalhar as investigações.

Titular da Delegacia Regional de Polícia Civil de Quixadá, Marcus Vinícius Damasceno disse ao O POVO Online que o nome do suspeito foi especificado por monsenhor Orlando em carta de 18 páginas, deixada no local que a vítima se matou, na casa da Paróquia de São Francisco. O suicídio do religioso teria sido motivado, segundo a Polícia, por golpes sucessivos que somam pelo menos R$ 650 mil, além de dois automóveis.

A carta relata os crimes, que tiveram início em 2015. Leanderson prometia expressivos lucros ao padre, caso fossem investidas quantias em dinheiro. Até o primeiro semestre de 2017, somavam-se R$ 500 mil, levantados pelo religioso em empréstimos com agiotas. A dívida foi paga por familiares de Orlando, mas as extorsões continuaram.

“Foi um verdadeiro domínio psicológico. O suspeito é um megalomaníaco de filme, tem uma mente doentia. Teve portas abertas na igreja, prometendo recursos e chegou até a gerir a paróquia. Ele criou um enredo, uma fábula, ganhou a confiança das pessoas e falava a fiéis em nome do padre para arrecadar supostos recursos que seriam investidos em projetos do Governo”, detalhou o delegado.

As investigações policiais apontam que as dívidas se acumulavam com a promessa de breve retorno, vindo de Brasília. Leanderson se apossou ainda de um carro particular do padre e um segundo veículo, que havia sido doado à paróquia. Um dos veículos foi vendido por R$ 50 mil.

Sobre o assunto

“O padre sempre tentava resolver no diálogo, mas era levado pelas promessas. O empréstimo mais recente do qual temos conhecimento foi obtido em janeiro deste ano: R$ 150 mil conseguidos com dois empresários da região”, completou Marcus Vinícius.


A Polícia não encontrou nenhum indício de envolvimento afetivo ou sexual entre Leanderson e Orlando. “Antes do suicídio, o padre estava abalado moralmente com a falência da paróquia”, contou ainda o delegado.

PrisãoDe acordo com as investigações, o suspeito mantinha vida no "high society de Quixadá", vestindo roupas de grife e dirigindo carros importados, por exemplo. Apesar de viajar frequentemente à Brasília e ser visto junto ao deputado, em visitas à cidade, Leanderson não tinha cargo público. 

Segundo a Polícia, Leanderson teve acesso ao local do suicídio antes mesmo da perícia e teria furtado o celular do padre Orlando, o que se configura alteração de local de crime. O suspeito tentou coagir ainda outras autoridades religiosas da Diocese de Quixadá, consideradas testemunhas do estelionato, tumultuando as investigações. Os quatro crimes levaram à prisão preventiva do suspeito, decretada pela Comarca de Quixadá.

Com informações: Jornal O Povo.

Sobre Ivanildo Souza

Ivanildo Souza falará em breve algo pra você, aguarde!
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

AQUI VOCÊ VÊ E SEUS CLIENTES TAMBÉM.

AQUI VOCÊ VÊ E SEUS CLIENTES TAMBÉM.

ANUNCIE AQUI ! ACREDITEM NO CRESCIMENTO DE POTENGI!