» » Mudanças pontuais serão realizadas caso Reforma da Previdência não seja


Diante das dificuldades do governo em aprovar uma reforma da Previdência mais ampla, voltaram a circular no Congresso ideias para um plano B, para tentar segurar o crescimento das despesas do sistema previdenciário. O problema é que essas alterações somente poderão valer para os trabalhadores do setor privado. Para mexer com os servidores públicos, é preciso aprovar uma emenda constitucional (PEC), o que exige quórum qualificado (308 votos).Técnicos do governo ainda insistem na PEC, porque seria uma forma de mudar, de uma só vez, as regras para servidores públicos e trabalhadores do setor privado. Mas admitem, nos bastidores, a possibilidade de estudar medidas que poderão ser implementadas por projetos de lei — que não necessitam de quórum qualificado para serem aprovados.Eles alegam que um dos pilares da reforma, a fixação de idade mínima no setor privado, ficará prejudicado, porque, para isso, também é preciso alterar a Constituição. Outras medidas que podem ser implementadas por projetos de lei são elevar o tempo mínimo de contribuição no INSS de 15 anos para 25 anos e instituir regras mais duras para os trabalhadores rurais. Mas essas mudanças dificilmente seriam aprovadas no Congresso em ano eleitoral.MEIRELLES: VOTAR EM FEVEREIROO ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, esteve nesta sexta-feira com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), durante cerca de uma hora para saber se ainda há possibilidade de votar a reforma da Previdência. À saída, Meirelles defendeu que haja uma breve suspensão do decreto que trata da intervenção militar no Rio para votar a reforma:— Vamos tentar votar ainda em fevereiro. A minha ideia é votar. É possível (haver uma janela). Em tese, dá.Perguntado se o governo trabalha em um plano alternativo, Meirelles afirmou que só depois de esgotadas as possibilidades de votar a reforma é que pensará em que outras medidas poderiam ser votadas na área econômica:— A minha ideia é: definiu a Previdência? Sim ou não. Aí pensamos no que fazer.O ministro explicou que sua esperança é que o decreto seja suspenso por um curto período só para votar essa matéria. Mais cedo, no entanto, Maia manifestou que é inviável votar o decreto da intervenção numa semana e dias depois suspendê-lo para votar a Previdência. E reiterou que a data limite para a votação é fevereiro, pois em março os deputados ficam desconfortáveis de votar um tema impopular em pleno ano eleitoral.

(Com informações Agência Globo)

Sobre Ivanildo Souza

Ivanildo Souza falará em breve algo pra você, aguarde!
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

AQUI VOCÊ VÊ E SEUS CLIENTES TAMBÉM.

AQUI VOCÊ VÊ E SEUS CLIENTES TAMBÉM.

ANUNCIE AQUI ! ACREDITEM NO CRESCIMENTO DE POTENGI!