» » Nível mais severo da seca avança pelo 4º mês consecutivo no Ceará

Foto: Kid Júnior/Agência Diário
O nível excepcional de seca, que é o mais severo, expandiu-se pelo quarto mês consecutivo no Ceará. Conforme o mais recente mapa do Monitor de Secas do Nordeste, em setembro o Estado tinha 10,75% de sua área com seca excepcional, já no último mês, subiu para 24,61%. Em agosto era de 5,28%. Já em julho, 0,01%. Entre as causas do avanço está a tradicional baixa incidência de chuvas neste período do ano, segundo o supervisor da unidade de Tempo e Clima da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), Raul Fritz. Em outubro, a média histórica é de apenas 3,9 milímetros.

As regiões mais afetadas pela seca excepcional são o Cariri, Sertão Central e dos Inhamuns. O supervisor da Funceme comenta que a expansão se deu desde o sudoeste do Estado mais para norte, se ampliando em direção ao centro estadual e, também, em direção ao sudeste. Nestas áreas estão cidades como Campos Sales, Assaré, Farias Brito, Crato, Milagres, Várzea Alegre, Missão Velha, Juazeiro do Norte e Iguatu. “Se as chuvas da Pré-Estação cearense vierem a ocorrer em torno da normal climatológica de dezembro, espera-se uma redução para uma situação menos crítica no sul do estado, principalmente no Cariri cearense. Ressaltando que essas chuvas são previstas apenas em curto prazo (alguns dias antes) e não a longo prazo (um mês ou mais meses antes)”, afirma Fritz.

No nível mais intenso da seca ocorrem perdas de cultura, escassez de água nos reservatórios, córregos e poços, criando situações de emergência. O secretário de Recursos Hídricos, Francisco Teixeira lembra que as regiões mais afetadas já estão no 6º ano com chuvas abaixo da média.
“O monitor é um importante instrumento de monitoramento nas suas diversas facetas para se estabelecer um cenário de como a seca está se desenvolvendo. No caso do Ceará, a situação que ele aponta da porção Centro-Sul nada mais é do que o impacto desta grande seca e fruto do 6º ano de chuvas abaixo da média. Portanto, ao chegar ao segundo semestre, princialmente no fim do ano, a severidade da seca aumenta porque são meses de maior evaporação”, comenta co chefe da SRH.

No mesmo período do ano passado, a situação era ainda mais grave. O Estado possuía 100% de sua área com níveis de seca variando entre grave e excepcional. O nível mais severo ocupava 55,49% do território cearense.

Açude Castanhão atinge volume morto
Com 3,35% de capacidade de armazenamento, o mais baixo nível de armazenamento desde 2002, quando começou a operar, o Açude Castanhão, responsável pelo abastecimento de Fortaleza e Região Metropolitana, já está entrando no chamado volume morto, de acordo com nota emitida de Departamento Nacional de Obras contra as Secas (Dnocs), responsável pela administração do reservatório.

Segundo o órgão, em 13 de novembro o Castanhão “atingiu cota de 68,73, que corresponde ao volume de 228.599.505 milhões de m³, abaixo da cota 71, que corresponde ao início de seu volume morto”. Por conta da estiagem, há seis anos o Castanhão não recebe quantidade suficiente de água para recompor o reservatório. O volume morto – também chamado de reserva técnica – é a água que fica abaixo do nível de captação dos reservatórios, que não foi programada para ser usada no dia a dia e funciona como “poupança” em caso de emergência. Não existe uma separação física entre a água do volume morto e a água do volume útil. É a mesma água, apenas em um nível mais profundo.

O açude tem capacidade para 308,71 hm3 de água, o suficiente para abastecer uma cidade como Fortaleza por três anos. O Ceará sofre com chuvas abaixo da média por seis anos seguidos, ocasionando a mais grave estiagem registrada no estado nos últimos 100 anos. Pelos cálculos da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos do estado (Cogerh),a quantidade de água hoje armazenada deve ser suficiente para manter os usos do açude, que já estão reduzidos, até por volta de janeiro de 2018. Após essa data a situação será reavaliada considerando os prognósticos do período chuvoso do Ceará, que começa em fevereiro e se estende até maio.

Um dos principais responsáveis pelo abastecimento da Região Metropolitana de Fortaleza, onde vive quase metade da população do estado, atualmente o reservatório contribui com apenas10% da água que chega às casas da capital. Cerca de 7 metros cúbicos por segundo (m³/s) viajam por 250 quilômetros, via Eixão das Águas, para complementar os outros 90%, que são oriundos de reservatórios localizados na própria região. Em 206, a situação era invertida: vinha do Castanhão 70% da água consumida na Grande Fortaleza.

Sobre Ivanildo Souza

Ivanildo Souza falará em breve algo pra você, aguarde!
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

AQUI VOCÊ VÊ E SEUS CLIENTES TAMBÉM.

AQUI VOCÊ VÊ E SEUS CLIENTES TAMBÉM.

ANUNCIE AQUI ! ACREDITEM NO CRESCIMENTO DE POTENGI!