» » TCE mantém postura cautelosa na absorção do TCM


Presidente do TCE, conselheiro Edilberto Pontes (Foto: Fábio Lima)
O Tribunal de Contas do Estado (TCE) tem adotado postura mais cuidadosa desde que a extinção do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) foi publicada no Diário Oficial, na última segunda-feira (21/08). O jornal O POVO apurou que o órgão não quer apressar a transição e correr o risco de ter os trabalhos suspensos por nova liminar do Supremo Tribunal Federal (STF).

Em sessão do pleno do TCE ontem (21/08), o fim do TCM rendeu apenas breves comentários sobre a publicação da emenda. Quando o tribunal foi extinto pela primeira vez, em dezembro do ano passado, os processos dos conselheiros foram redistribuídos ao TCE menos de uma semana depois, em sessão no auditório do próprio TCM.

Na ocasião, os dizeres “dos municípios” chegaram a ser retirados da parede. No dia seguinte, porém, a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, expediu a liminar. “Acho que a cautela está sendo uma palavra que está se tendo agora, mas da primeira vez houve um tempo hábil entre a publicação e a sessão. Dessa vez foi só um dia. E também já há um conhecimento de como são os processos, não é preciso ter pressa”, afirmou a conselheira Soraia Victor .

O presidente do TCE, conselheiro Edilberto Pontes, não conversou com a reportagem. De acordo com a assessoria de imprensa do órgão, ainda é “cedo” para tratar sobre a transição. Foi informado, porém, que o presidente do TCE pediu para que todos os trabalhos dos servidores do antigo TCM fossem mantidos durante este período, para não afetar as fiscalizações. O tribunal tem 90 dias para concluir a transição.

O conselheiro Domingos Filho, presidente do extinto TCM, passou o dia de ontem reunindo documentos para concluir a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) contra a emenda. Filho vai recorrer novamente no STF e tem esperanças de que vai conseguir derrubar a emenda e suspender os efeitos por meio de uma nova liminar.

A primeira ADI perdeu a validade porque nova emenda suspendeu a aprovada em dezembro. Ontem, porém, o ministro Celso de Mello, relator, julgou essa ação prejudicada, contestando argumento de que a Assembleia não poderia votar pela extinção do Tribunal. Posição pode influenciar na decisão sobre a nova ADI, dificultando o retorno do órgão.

Com informações portal O Povo Online

Sobre Ivanildo Souza

Ivanildo Souza falará em breve algo pra você, aguarde!
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

AQUI VOCÊ VÊ E SEUS CLIENTES TAMBÉM.

AQUI VOCÊ VÊ E SEUS CLIENTES TAMBÉM.

ANUNCIE AQUI ! ACREDITEM NO CRESCIMENTO DE POTENGI!