» » Lula ataca Rede Globo por cobertura da Lava-Jato


Em discurso na noite de sexta-feira (5), em um evento do PT, Lula criticou a ação da imprensa na cobertura da Operação Lava Jato e desafiou a emissora líder em audiência: “Tudo o que eu desejo na vida é disputar as eleições (de 2018) contra o candidato da Rede Globo de Televisão”, disse o ex-presidente. “Não foram poucos os almoços e conversas que tive com a família Marinho (dona da Globo). Eles nunca nos respeitaram. Quero que eles tenham um candidato que tenha um ‘plim plim’ no peito, para nós dizermos com todas as letras: ‘vamos regulamentar a comunicação neste país’. Não é possível que existam nove famílias que sejam donas de todos os maiores meios de comunicação da nação”, protestou Lula. Menos de 24 horas depois, o ‘Jornal Nacional’ de sábado repercutiu as críticas de Lula à Lava Jato, mas não abordou a citação da emissora no discurso. Na mesma noite, o ‘Jornal das Dez’, da GloboNews, usou o texto do ‘JN’ para expor reações negativas de autoridades às declarações do líder petista, que ameaçou “mandar prender” quem hoje o acusa, caso volte ao Palácio do Planalto. Desde o surgimento de seu nome nas investigações da Lava Jato, Lula nunca tinha atacado a Globo tão duramente. Durante seus oito anos na Presidência, manteve uma relação cordial com a emissora. Aparentemente, superara o polêmico episódio do debate com Collor na eleição de 1989. Na ocasião, matérias veiculadas nos telejornais do canal privilegiaram o então ‘caçador de marajás’, como se ele tivesse vencido o embate contra o petista. Boni, então vice-presidente de Operações da Globo, confirmou em entrevistas concedidas nos últimos anos que Roberto Marinho, dono das Organizações Globo, ordenou a reedição do material do debate para beneficiar Collor. Em 7 de agosto de 2003, Lula voou de Brasília ao Rio, acompanhado de cinco ministros, para participar do velório do poderoso proprietário da Globo. “Eu tive dois grandes momentos (com Roberto Marinho). Um em Paris, quando discutimos as eleições de 89, e outro, na sede de ‘O Globo’, quando discutimos a participação dele no impeachment do Collor. Os dois momentos foram importantes. Conhecendo melhor as pessoas é que a gente pode analisar o que leva essas pessoas a tomarem grandes decisões. Por isso acho que o Brasil perde hoje um grande homem. A gente não mede as pessoas por divergência política. A gente mede pela importância que as pessoas tiveram naquilo que se propuseram a fazer. E o doutor Roberto Marinho foi, inegavelmente, um dos maior es homens de comunicação da história deste País”, declarou Lula, em matéria exibida no ‘Jornal Nacional’ daquele dia. A nova postura de Lula parece ter encerrado definitivamente a fase ‘paz e amor’ com o canal mais influente da televisão brasileira. O ex-presidente coloca a emissora como seu maior rival em 2018, caso consiga emplacar sua candidatura a um terceiro mandato. O jornalismo da Globo, por sua vez, será cada vez mais monitorado por partidos, eleitores de Lula e a própria imprensa. Sua imparcialidade e credibilidade estarão mais em jogo do que nunca. Com função essencial na Operação Lava Jato, os meios de comunicação – especialmente o telejornalismo – terão também papel decisivo na já acirrada disputa presidencial do ano que vem.

Sobre Ivanildo Souza

Ivanildo Souza falará em breve algo pra você, aguarde!
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

AQUI VOCÊ VÊ E SEUS CLIENTES TAMBÉM.

AQUI VOCÊ VÊ E SEUS CLIENTES TAMBÉM.

ANUNCIE AQUI ! ACREDITEM NO CRESCIMENTO DE POTENGI!