» » » Cariri adere à greve geral

Em consonância com manifestações de cunho nacional, Juazeiro do Norte,  levou mais de 2.500 pessoas às ruas (Foto: Alana Maria Soares)
Organizações políticas estimam que mais de 2.500 pessoas participaram da manifestação pacífica na manhã de ontem (28/04) realizada na praça do Giradouro, em Juazeiro do Norte, em adesão à greve geral convocada nacionalmente contra as reformas trabalhista e previdenciária colocadas pelo Governo de Michel Temer.

Participaram mais de 26 entidades, entre movimentos sindicais, sociais, organizações de base, de juventude e partidos políticos. Em sua maioria, trabalhadores da construção civil, servidores públicos e estudantes secundaristas. Caravanas vindas de Altaneira, Potengi, Santana do Cariri e outras cidades vizinhas também marcaram presença na manifestação.

Intercalando entre gritos de guerra e pedidos de “Fora Temer”, lideranças sociais realizaram falas críticas às medidas tomadas pela gestão do presidente em exercício Michel Temer e sua base partidária, evidenciadas nas propostas da reforma da Previdência e reforma Trabalhista. Pontuaram, ainda, as reivindicações históricas da luta das mulheres, dos negros e dos trabalhadores rurais sem terra.

O militante político Alessandro Reinaldo, do MAIS, analisa que a paralisação desta sexta-feira seria apenas um ensaio para a greve geral nacional, que deve ser puxada pelas centrais sindicais Brasil a fora. “Vai ter greve até barrarmos todas essas reformas criminosas e tirarmos o presidente golpista”, afirmou.

De capacete na cabeça e uniformes a caráter, os trabalhadores da construção civil sindicalizados largaram as obras e participaram do ato fechando avenidas e ruas, impedindo carros e rebatendo buzinas. “Isso aqui é sobre nossas vidas, nosso futuro e nossas condições de trabalho agora”, disse Reimberto Félix. Para ele, não adianta de nada trabalhar hoje se a aposentadoria é incerta.

Para Maria Socorro da Silva, que há anos trabalha desenvolvendo tecnologias de convivência no semiárido com agricultores rurais na Associação Cristã de Base, a também forte mobilização dos trabalhadores rurais nos protestos contra o governo Temer se dá, principalmente, porque suas políticas vem a colocar em risco a qualidade de vida dos agricultores.

“Se as reformas passarem, voltaremos 50 anos atrás, para a miséria, pobreza, fome e falta de moradia. As pessoas precisam entender que essas reformas atingem com mais força o homem e a mulher do campo, que não tem carteira assinada”, disse Socorro.

Com informações Cariri Revista

Sobre Ivanildo Souza

Ivanildo Souza falará em breve algo pra você, aguarde!
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário

AQUI VOCÊ VÊ E SEUS CLIENTES TAMBÉM.

AQUI VOCÊ VÊ E SEUS CLIENTES TAMBÉM.

ANUNCIE AQUI ! ACREDITEM NO CRESCIMENTO DE POTENGI!